10 dicas de Gestão Financeira para pequenas empresas e como fazer

Fazer uma boa gestão financeira para pequenas empresas é fundamental para o crescimento de um negócio, especialmente se está no começo. A princípio, todo empreendedor quer lucrar, não é mesmo?

Todavia, sem um bom gerenciamento das finanças da empresa, dificilmente ela terá um bom desempenho com os resultados esperados.

Neste artigo, explicamos em detalhes sobre qual a importância da gestão financeira para pequenas empresas e elencamos dez dicas práticas para realizar esse processo da forma mais eficaz possível. Confira!

Entenda o que é gestão financeira para empresas

Entender o que é gestão financeira para empresas não é complicado. De modo geral, esse serviço é um conjunto de práticas, processos e decisões que visam administrar de forma eficiente os recursos financeiros de uma empresa.

Esse tipo de gerenciamento correlaciona desde a análise até o controle e planejamento das finanças. O objetivo é manter uma saúde financeira equilibrada e alcançar os resultados esperados no desempenho do empreendimento. 

Essa área também está relacionada à captação de recursos financeiros, seja por meio de financiamentos, empréstimos ou investimentos externos. 

O gerenciamento financeiro busca utilizar esses recursos da maneira mais eficiente possível, evitando desperdícios e garantindo que a empresa tenha condições de honrar seus compromissos.

Em tese, a gestão financeira para empresas é uma ferramenta gerencial para garantir que o empreendimento opere de forma saudável do ponto de vista financeiro.

Qual a importância de uma boa gestão financeira para pequenas empresas?

A gestão financeira para pequenas empresas envolve o controle e planejamento adequados dos recursos financeiros da empresa. Por isso, ela é tão importante para garantir que as finanças estejam saudáveis e alinhadas com os objetivos organizacionais.

Em primeiro lugar, uma gestão financeira bem desenvolvida permite que a empresa tenha controle sobre suas finanças, compreendendo as próprias receitas, despesas, fluxo de caixa e lucratividade. Isso possibilita tomar decisões informadas e estratégicas com base em dados concretos, evitando surpresas desagradáveis para assegurar a estabilidade financeira.

Além do mais, um sistema de gestão financeira para pequenas empresas também colabora para o seguinte: 

  • aumentar a produtividade do negócio;
  • evitar fraudes;
  • reduzir custos;
  • amenizar cenários de crise;
  • otimizar o controle das finanças;
  • e muito mais.

10 dicas para fazer a gestão financeira em pequenos negócios

Agora que você já sabe sobre a importância da gestão financeira para empresas, confira 10 dicas para assumir o controle financeiro do seu negócio.

1. Identifique os seus custos e despesas

Fazer a identificação de custos e despesas na gestão financeira de uma pequena empresa é essencial para classificar quais são seus reais gastos.

No geral, os custos são todos os gastos relativos à utilização de bens ou serviços para produzir outros bens ou prestar serviços. Enquanto isso, as despesas são atribuídas a todos os gastos relacionados à manutenção e funcionamento do negócio.

Um exemplo de custo que o negócio pode ter é o pagamento do salário, isto é, o salário é o custo que a empresa deve ter para consequentemente cumprir um de seus objetivos, como a realização de vendas ou confecção de produtos.

Por outro lado, alguns exemplos de despesas são as contas de energia e contas de telefone, pois são necessárias ao funcionamento do negócio, mas não precisamente para cumprir o objetivo-atividade final.

Entender a diferença desses dois conceitos e saber identificar cada um na sua empresa é fundamental para ter uma relação do que realmente são gastos necessários ou não.

Leia também: Como separar as contas pessoais da empresa? 

2. Avalie o enquadramento tributário ideal

O enquadramento tributário representa um impacto significativo na gestão financeira para pequenas empresas. A escolha do regime adequado pode influenciar diretamente na lucratividade e viabilidade da organização no longo prazo.

Esse enquadramento corresponde não apenas à forma de recolhimento dos impostos, como também ao peso deles sobre a receita bruta da empresa. 

Regimes tributários mais simples podem reduzir a burocracia e os custos administrativos associados ao cumprimento das obrigações fiscais, liberando recursos e tempo que podem ser direcionados para atividades operacionais e estratégicas. 

Além disso, a gestão financeira da pequena empresa também pode se beneficiar ao otimizar sua carga tributária, sobrando mais recursos para novos investimentos.

3. Monitore periodicamente o fluxo de caixa

Na gestão financeira para pequenas empresas, uma certa prática é indispensável para fazer o controle financeiro: o monitoramento periódico do fluxo de caixa.

O fluxo de caixa está relacionado às entradas e saídas de dinheiro na empresa. Logo, o monitoramento periódico dessas movimentações se torna essencial para que a gestão possa controlar os valores disponíveis para cumprir com todas as obrigações da empresa.

A partir da análise do fluxo de caixa, torna-se viável ter uma ideia de como está a situação financeira do negócio conforme seu desempenho e suas metas.

Em tese, um fluxo de caixa estável é imprescindível para o funcionamento diário do negócio, pois permite pagar fornecedores, funcionários e despesas operacionais. Uma má gestão do fluxo de caixa pode levar a problemas de liquidez e até mesmo à falência da empresa.

4. Faça a precificação correta de produtos e serviços

Precificar produtos e serviços pode ser um verdadeiro desafio para alguns empreendedores, especialmente aos donos de pequenas empresas.

Custos, despesas, margem de lucro desejada, entre outros detalhes, são excepcionais na precificação de produtos e serviços. Afinal, garantir uma lucratividade positiva na gestão financeira de uma pequena empresa é importantíssimo para a sobrevivência do empreendimento.

Desse modo, antes de precificar mercadorias ou a prestação de serviços, considere buscar o apoio de uma assessoria contábil e financeira. Ao compreender todos os gastos e investimentos necessários por trás dos processos da sua empresa, ficará mais fácil realizar a precificação correta.

5. Separe a reserva de emergência da empresa

Na educação financeira, muito se fala da importância de se ter uma reserva de emergência para superar os momentos de crise. No contexto empresarial, esse recurso é extremamente necessário.

Toda empresa de sucesso deve estar preparada para passar por conflitos financeiros, seja por questões micro e macroeconômicas. Como nunca se sabe quando essas situações podem ocorrer, ter um fundo de emergência pode amenizar possíveis imprevistos.

A dica é deixar como reserva uma quantia considerável para que a empresa consiga se manter por pelo menos seis meses no pior dos cenários. Para não comprometer o crescimento do negócio, aplique os valores gradualmente até formar a quantia necessária. 

Ademais, cuidado para não deixar o dinheiro parado perdendo para a inflação. A fim de evitar isso, opte por investir o dinheiro em fundos conservadores. 

6. Automatize processos manuais

Na gestão financeira para micro e pequenas empresas, a automação de processos pode representar uma grande vantagem no aumento da eficiência de processos.

Para realizar e receber pagamentos, um ótimo investimento é aderir a um sistema de cobrança automatizado. Além da precisão no cálculo de contas, essa tecnologia também torna mais rápido o processamento de informações nas questões financeiras.

Outras tecnologias bastante funcionais na gestão financeira para pequenas empresas são os softwares contábeis. Essas plataformas, que você encontra na RR Soluções, são ferramentas que automatizam diversos processos na área contábil, como o pagamento de impostos e envio de declarações.

Sem dúvida, a tecnologia tem muito a contribuir. Além de acelerar inúmeras operações, ela também reduz as chances de falha humana, bem como assegura mais segurança na proteção de dados.

7. Faça um planejamento financeiro eficiente

Outra dica para os pequenos empreendedores no quesito gestão financeira é fazer o planejamento financeiro do empreendimento. A propósito, não se engane achando que essa prática serve apenas para as grandes empresas. Todo negócio, independentemente do tamanho, deve planejar as suas finanças para definir as melhores tomadas de decisão na gestão do empreendimento. 

Tendo isso em vista, para fazer um bom planejamento financeiro empresarial, é preciso avaliar um conjunto de ações. Abaixo, listamos alguns dos passos essenciais:

  1. analise a situação atual, levantando um diagnóstico sobre a saúde financeira da empresa;
  2. defina metas claras;
  3. crie um plano de ação;
  4. elabore um orçamento anual com base nas metas e planos de ação;
  5. antecipe cenários positivos e negativos para simular imprevistos.

Entre esses passos, certamente o mais subestimado é a criação de metas. Muitos empreendedores não definem metas para o próprio negócio, deixando de agir para um futuro financeiramente sólido. Não cometa esse erro!

8. Pague os impostos em dia

Pode parecer uma dica óbvia, afinal, pagar impostos é uma obrigação para a empresa. Porém, não é incomum encontrar empreendimentos atrasando o pagamento de seus tributos. Isso gera multas, juros e inclusive possíveis penalidades severas para o empresário.

Dívidas com o atraso no pagamento de tributos podem impactar negativamente nas finanças do negócio. A depender da gravidade e do tempo de atraso, a dívida pode se tornar uma bola de neve comprometedora na estabilidade financeira.

Portanto, a dica é registrar todas as obrigações fiscais e tributárias que o seu negócio deve prestar, bem como seus respectivos prazos e pagá-las em dia. 

9. Considere a necessidade de solicitar crédito

É normal necessitar de crédito em algum momento do seu negócio. Seja para investir na expansão do empreendimento ou estabilizar as finanças da empresa, esse recurso pode ser um grande apoio.

Contudo, antes de sair pedindo análises de crédito em instituições financeiras, observe se as mesmas oferecem condições vantajosas para a sua empresa.

Verifique se o seu negócio não possui impedimentos no acesso ao crédito. Nessa questão, manter um Score CNPJ alto é indispensável para facilitar a obtenção de crédito sob boas condições. 

A pontuação do Score CNPJ ajuda os bancos e instituições a entenderem melhor sobre a relação da sua empresa ao pagar contas em dia. Assim, uma pontuação alta indica que o empreendimento é confiável.

Além de manter o Score CNPJ positivo, veja algumas ações aplicáveis na gestão financeira para pequenas empresas terem melhores condições de crédito: 

  • pague suas contas em dia;
  • mantenha um bom relacionamento com os bancos e instituições;
  • compare taxas de juros;
  • ofereça garantias.

10. Analise os relatórios de desempenho

Por fim, após pôr em prática todas as dicas elencadas até aqui, chega a vez de uma etapa-chave na gestão financeira para pequenas empresas: a análise de desempenho. Observar e avaliar os resultados das ações no gerenciamento dessa área no negócio é imprescindível.

Nessa perspectiva, os relatórios financeiros são documentos que demonstram a situação do empreendimento com dados reais e atualizados. 

Um bom exemplo de relatório para analisar o desempenho financeiro de uma organização é o Demonstrativo de Resultado do Exercício (DRE). Com esse documento, é possível ter uma noção mais clara sobre as receitas e despesas do negócio.

Sendo assim, com esse e outros relatórios, a gestão tem mais transparência para identificar os gargalos que impactam na lucratividade.

Outro ponto na análise de desempenho é utilizar indicadores de desempenho para avaliar o negócio em partes. Os indicadores auxiliam o empreendedor a ter uma visão mais direcionada sobre aspectos específicos, como:

  • a taxa de conversão;
  • a taxa de retorno sobre os investimentos (ROI);
  • o número de reclamações;
  • o custo de aquisição do cliente.

Gestão financeira eficaz para a sua empresa

Como abordamos ao longo deste artigo, a gestão financeira para pequenas empresas cumpre um papel crucial no crescimento de qualquer negócio, independentemente do seu porte.

Aplicando as dicas apresentadas da forma correta, gradualmente você, como empreendedor, poderá observar os efeitos positivos de uma gestão financeira bem elaborada. 

Mas, entendemos que são muitos aspectos e cenários para lidar ao mesmo tempo. De fato, dar conta das finanças de uma empresa não é para qualquer um. Por essa razão é que a nossa contabilidade digital especializada em BPO Financeiro traz soluções personalizadas em gestão financeira e contábil. 

Na RR Soluções, uma equipe profissional assume as responsabilidades financeiras da sua empresa para que você possa direcionar a sua energia para áreas estratégicas do empreendimento.

Ao delegar a gestão financeira para empresas, é possível economizar consideravelmente nos custos com contratação e treinamento de equipe. 

Então, não perca mais tempo! Fale agora com um dos especialistas em BPO Financeiro da RR Soluções e descubra o que podemos fazer para o sucesso da sua empresa.

Fonte: Consultoria RR

O post 10 dicas de Gestão Financeira para pequenas empresas e como fazer apareceu primeiro em Informativo Empresarial.